A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE, entidade representativa de mais de 4 milhões de profissionais das escolas públicas de todo país, vem a público manifestar irrestrita solidariamente à luta dos/as trabalhadores/as em educação do Estado do Ceará, liderados pelo Sindicato APEOC, que em assembleia autônoma da categoria decidiu pelo fim da greve após 107 dias de paralisação.

Como resultado da mobilização, os/as trabalhadores/as em educação da rede estadual do Ceará conseguiram aumento de 5% na regência de classe e a publicação imediata de decreto regulamentando a Lei que visa descomprimir a tabela de salários da categoria e instituir a nova Carreira do Magistério Púbico cearense.

Mesmo ciente de que há muito para se avançar na garantia e ampliação de direitos da categoria, a assembleia do Sindicato APEOC decidiu encerrar a greve, na perspectiva de prosseguir negociando com o governo as melhorias salariais e de condições de trabalho para todos/as os/as educadores/as.

Neste sentido, condenamos veementemente os atos de vandalismo praticados por um grupo encapuzado, supostamente contrário ao encerramento da greve, que invadiu a assembleia da APEOC com a finalidade de agredir os diregentes do Sindicato e os/as próprios/as trabalhadores/as da base contrários à sua posição política.

Lembramos que esse ato de selvageria, que não condiz com a política e as ações do Sindicato APEOC e de nenhum sindicato da base da Central Única dos Trabalhadores – CUT, já havia ocorrido em assembleia anterior, tendo sido repudiado pela CNTE e pelo conjunto da classe trabalhadora.

Aproveitamos a oportunidade para reiterar o nosso compromisso – que é o mesmo do Sindicato APEOC – com o pluralismo de ideias que compreende os integrantes da base sindical, mas também para reafirmar a liberdade, a autonomia e a soberania das decisões de assembleias dos sindicatos.

E em defesa dos nossos princípios de organização sindical, e em respeito à categoria que representamos, a CNTE se coloca ao lado da Direção do Sindicato APEOC para apurar os casos de violência física e material contra pessoas e o patrimônio da APEOC, a fim de que os vândalos sejam identificados punidos e que cenas como essas não se repitam mais no estado do Ceará e em nenhum outro lugar.

O momento do país, e também nos estados da federação, exige união e compromisso de nossa categoria para enfrentar a pauta conservadora de retirada de direitos. Não podemos nos dividir, tampouco permitir que forças obscuras atrapalhem nossa jornada de luta.