Um dia após o envio do ofício do Sindicato APEOC (veja ofício do Sindicato AQUI) solicitando audiência com secretário da Educação do Estado, Idilvan Alencar, o gestor enviou a resposta à entidade também por meio de um ofício do Gabinete da Seduc. O documento faz um histórico das negociações firmadas entre a categoria, por meio do Sindicato, e a Secretaria ao longo da Greve Geral da Educação. Idilvan Alencar relatou ainda o comprometimento do ano letivo por conta da paralisação e finalizou reforçando que a proposta apresentada pelo Governo e rejeitada pela categoria na assembleia de sábado (30) foi a última tentativa de valorização dos profissionais do Magistério.

Veja o ofício da Seduc AQUI.

Diante desse impasse, o presidente do Sindicato APEOC orienta que a categoria precisa chegar a um consenso na avaliação do atual contexto antes da próxima assembleia geral, prevista para o dia 12 de agosto. A direção da entidade reforça que a última proposta foi construída depois de muita luta, com garantia de ganhos remuneratórios para todos os segmentos de servidores (efetivos da ativa, temporários e aposentados) e que o investimento saltou de R$ 18 milhões, no início das negociações, para mais de R$ 80 milhões, atualmente.

Mesmo seguindo em acordo com a proposta negociada, o Sindicato APEOC repudia qualquer tipo de medida contra servidores efetivos ou temporários durante o período de greve. O departamento jurídico da entidade vem recebendo denúncias de rescisões de contratos de docentes temporários. Os advogados estão à disposição para atuar tanto na esfera administrativa quanto judicial para tentar impedir esses cortes, como também para reverter os atos que já foram efetivados.